Guerra de aéreas americanas e árabes fica próxima do fim


Resultado de imagem para qatar

Uma antiga "guerra" da aviação internacional, que se arrasta há anos e provocou debates e protestos de ambos os lados, pode finalmente estar próximo de seu fim. Se trata do embate entre as aéreas norte-americanas e as árabes, estas acusadas de receberem subsídios bilionários há anos de governos dos países do golfo - podendo ter chegado nos US$ 42 bilhões - auxiliando-as a entrar nos Estados Unidos de forma predatória, praticando tarifas abaixo do comum.

E o principal peão por trás da possível aproximação e acordo entre as duas partes, ao menos de acordo com a Delta, é o presidente Donald Trump.

"Nós aplaudimos a administração Trump", afirmou o VP executivo da aérea, Peter Carter. "Ela (a administração atual) moveu montanhas ao entender que esses subsídios são contrários aos acordos de Céus Abertos, e precisam ser abordados".

Resultado de imagem para qatar airways

O executivo se refere principalmente ao recente acordo de céus abertos acertado entre EUA e o governo catariano, um dos "acusados" de auxiliar financeiramente aéreas do próprio país com subsídios - no caso, a Qatar Airways. Firmada nas últimas semanas, a aliança prevê a divulgação financeira e os requisitos contábeis por parte da Qatar, assim como um compromisso da aérea em não adicionar voos para os Estados Unidos de países que não sejam o próprio Catar.

Segundo reportagem da Forbes, tal acordo pode levar a uma diminuição dos subsídios concedidos à aérea do golfo. "Se (os cataris) estiverem à altura do que disseram que farão, isso irá resolver os problemas", afirmou Carter. "Se eles (Qatar Airways) não estão usando subsídios e têm os dados financeiros transparentes, se tornarão um membro de pleno direito da comunidade aérea internacional, jogando em condições equitativas", argumentou.

O governo norte-americano estaria com um diálogo aberto também com o Emirados Árabes Unidos, com tratativas que visam objetivos semelhantes aos alcançados junto ao Catar. As duas principais

Divulgação
Etihad dependeria de subsídios diante de dificuldades financeiras
Etihad dependeria de subsídios diante de dificuldades financeiras

aéreas do país, porém, podem não concordar com os mesmos termos: a Emirates, com sede em Dubai, oferece voos para Nova York partindo de Atenas e Milão, enquanto a Etihad Airways, com sede em Abu Dhabi, estaria com dificuldades financeiras segundo a Forbes, e ainda depende muito dos subsídios estatais para continuar operando.

"Espero que o nosso governo tenha o mesmo tipo de relação com os Emirados Árabes Unidos que tem hoje com o Qatar, e possa fazer um acordo que exija que as aéreas de propriedade do governo operem sem o benefício de subsídios", finalizou Carter, segundo quem não há intenção alguma de derrubar voos já existentes para os EUA (como as rotas da Emirates para Nova York).