Alas Uruguay e seu último voo


Menos de um ano após o início de suas operações, a companhia aérea Alas Uruguay, gerida por ex-funcionários da extinta Pluna, fará esta noite seu último voo. Com problemas financeiros, a empresa terá de devolver seu último Boeing 737-300 à empresa norte-americana de leasing detentora do avião.

Em janeiro deste ano, a Alas Uruguay surgiu no mercado com a novidade de ser autogerida por funcionários, sendo a realização de um sonho nascido após a falência da Pluna, que ocorreu em julho de 2012.


Com financiamento inicial de US$ 15 milhões, abalizado por um fundo nacional para o desenvolvimento de empresas, o Fondes, a Alas iniciou suas operações com três Boeings 737-300.

A dificuldade na obtenção de licenças para novas rotas, somada à necessidade de retorno financeiro imediato, atrapalharam as operações da aérea. Após a devolução de duas aeronaves, o B737 restante seguiu voando na ponte aérea Montevidéu/Buenos Aires – às 20h15 local (21h15 no horário de Brasília), a aeronave aterrissou ontem em solo uruguaio em seu último voo pela Alas Uruguay.