Aéreas mantêm alerta sobre possível terrorista no Brasil


Após o alerta interno emitido pela Avianca Brasil, as demais companhias aéreas estão preocupadas com a possibilidade de o Brasil ter um terrorista sírio à solta. Centro das atenções mundiais entre agosto e setembro, o Rio de Janeiro irá receber os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, eventos que são considerados “chamarizes” para práticas do tipo.

A Latam Airlines Brasil, transportadora e apoiadora oficial da Rio 2016, afirmou à reportagem que tem colaborado com as autoridades competentes. As medidas de segurança são mantidas em absoluto sigilo, mas a companhia aérea afirma trabalhar com agências de inteligência nacionais e internacionais para combater qualquer ameaça.

As outras grandes companhias aéreas brasileiras – Gol e Azul – também acenderam o alerta vermelho. Em comunicado, a primeira afirma que segue altos padrões internacionais de segurança. “A companhia trabalha continuamente com as autoridades e administradores aeroportuários para garantir uma operação segura e prestar o melhor atendimento aos seus clientes”, comunicou.

Por fim, a Azul destacou manter contato permanente com autoridades de segurança para a Olimpíada no Rio. “O objetivo é desenvolver um trabalho colaborativo para garantir a tranquilidade da operação aérea e dos Clientes durante as competições”, destacou.

CASO AVIANCA

Na última semana, o assunto veio à tona com a circulação de uma imagem de boletim da Avianca. O documento informava que Jihad Ahmad Deyab, de nacionalidade síria, encontra-se foragido do Uruguai e chegou ao Brasil, segundo informações obtidas pela Polícia Federal.


A Avianca leva o terrorismo muito a sério, embora seja uma empresa de aviação, atua nos bastidores de inteligência contra o terrorismo, face ela mesma ser vítima em novembro de 1989 de um ataque a bomba em uma de suas aeronaves, desferido nada mais nada menos por Pablo Escobar - Chefe do Cartel de Medelin.