Emirates registra lucro recorde de US$ 2,2 bilhões



Pelo 28º ano seguido, o Grupo Emirates apresentou resultados positivos em seu balanço financeiro. Entretanto, no último período fiscal (encerrado em 31 de março deste ano) a empresa bateu todas as metas possíveis: alcançou lucro de 8,2 bilhões Dirhans dos Emirados Árabes, o equivalente a US$ 2,2 bilhões, o maior de toda a história da companhia e 50% maior que o observado nos 12 meses anteriores.


A receita do grupo atingiu nada menos que US$ 25 bilhões em 2015-16, ainda caindo 3% em relação ao período 2014-15. Mas mesmo assim a Emirates aumentou fortemente seu caixa para US$ 6,4 bilhões, favorecida pela redução dos custos operacionais em 8%.


O resultado foi comemorado pelo presidente e diretor executivo da Emirates, o Sheik Ahmed bin Saeed Maktoum. “Em um cenário cambial desfavorável, que modificou nossas receitas e lucros, um ambiente econômico global incerto marcado por uma queda no consumo e no investimento e por uma instabilidade sócio-política em várias regiões do mundo, a performance do grupo é testemunha do sucesso de nosso modelo de negócios e estratégias”, observou.

PERFORMANCE AÉREA 


Outro recorde batido no último exercício da Emirates foi o de número de passageiros: 51,9 milhões de passageiros, com aumento de 8% sobre o ano anterior e taxa de ocupação de 76,5%. Esse último número revelou uma queda em relação aos 79,6% do período encerrado em 2015, e se explica, segundo a Emirates, pelo aumento de 13% na capacidade de Available Seat Kilometres (ASKMs).


A companhia recebeu 29 novas aeronaves, seu maior número durante um ano fiscal, totalizando 251 aviões no final de março. Ao mesmo tempo, nove aeronaves foram retiradas do portfólio da empresa. 


Foram lançados ainda oito novos destinos para passageiros: Bali, Bolonha, Cebu, Clark, Istambul (Sabiha Gökçen), Mashhad, Multam e Orlando; e dois novos destinos cargueiros: Columbus e Cidade del Este. “Também foram adicionados novos serviços e capacidades para 34 cidades de rotas já existentes pela África, Ásia, Europa, Oriente Médio e América do Norte, oferecendo mais opções de escolha e conectividade aos clientes”, destacou a empresa em seu comunicado.