Decolagens simultâneas em Brasília estão suspensas

Foto: Divulgação/Inframérica
O Brasil precisa avançar quando o assunto é operações simultâneas de decolagens. O fato é que a Força Aérea Brasília (FAB) suspendeu preventinamente na sexta-feira (4), estas operações que já ocorria no aeroporto de Brasília, que foi palco de um segundo episódio de descumprimento nos procedimentos de subida que poderia resultar em colisão entre aeronaves. Em um período de nove dias, duas vezes houve incidentes desse tipo.
Na última quarta-feira (2), um Airbus A320 da Avianca (matrícula PR-OCB) - foto, com destino a Goiânia, decolava da cabeceira 11R (direita).
Ao mesmo tempo, um Boeing 737-800 da Gol (matrícula PR-GUE) - foto, decolou da cabeceira 11L (esquerda) com destino a Palmas. O procedimento previa subida no rumo da pista, mas o avião fez curva à direita logo após a decolagem, colocando as duas aeronaves em rota de colisão.
Segundo a FAB, houve a instrução dos órgãos de controle do tráfego aéreo para a aeronave da Gol para que fizesse a curva à esquerda para voltar à trajetória prevista no procedimento de subida.
Devido a esse incidente, a FAB suspendeu as operações simultâneas “como medida preventiva”, enquanto “a investigação do incidente estiver em andamento”.
No último dia 23 de fevereiro, um avião da Força Aérea Brasileira e outro da Polícia Federal também passaram por situação de quase colisão após decolagens simultâneas em Brasília. Na ocasião, o piloto da aeronave da PF descumpriu o procedimento de subida.