Emirates e o voo mais longo do mundo

Boeing 777-200LR da Emirates Airlines que fará o voo Dubai-Cidade do Panamá (Foto: <a href="https://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AEmirates_Boeing_777-200LR_PER_Koch-1.jpg ">Darren Koch / Wikimedia Commons</a>)

Emirates Airlines anunciou que vai iniciar em fevereiro de 2016 um voo entre Dubai e Cidade do Panamá. A rota será a mais longa do mundo.
O voo, que será realizado pelo Boeing 777-200LR, terá duração de 17 horas e 35 minutos e percorrerá 13.821 quilômetros. A distância é apenas 17 quilômetros mais extensa que a atual rota mais longa, que é entre Sydney e Dallas, operada pela Qantas com o Airbus A380.
A aeronave será configurada em três classes: 8 assentos na primeira, 42 na executiva e 216 na econômica. A capacidade de carga é de 15 toneladas.
Apesar de a Emirates começar a operar esse voo, já teve uma rota ainda mais longa. Em 2013, a Singapore Airlines chegou a operar entre Nova York e Cingapura. Eram 19 horas e 15.344 quilômetros. O voo, porém, foi cancelado devido à baixa procura.
-

Requião vai apresentar alternativa ao “Arrocho Levy” para recuperar a Petrobras e a economia; assista

O senador Roberto Requião (PMDB) anunciou ontem - quinta-feira (13), em pronunciamento no Senado, que vai apresentar projetos de lei para que a Petrobras retome os investimentos e recupere toda a extensa cadeia econômica do petróleo, hoje em crise, em função da operação Lava Jato e dos cortes no orçamento da estatal. Veja o vídeo abaixo.
Ele lembrou que a Petrobras é responsável por parte substancial do PIB brasileiro e que sua paralisia afeta fortemente a economia nacional, já em recessão.
Segundo o senador, o Brasil amorteceu os efeitos da crise mundial que explodiu em 2008 quando o Tesouro Nacional liberou 100 bilhões de reais em 2009, e mais 80 bilhões de reais em 2010 para que fossem aplicados no setor produtivo. Graças a isso, em 2009, o Brasil cresceu mais de sete por cento, enquanto a Europa e os Estados Unidos amargavam números negativos.
A mesma coisa pode ser feita agora, argumentou o senador. Nesse sentido, ele vai apresentar projeto de lei ao Senado.
Requião comunicou também que vai propor a incidência de imposto de renda sobre lucros e dividendos, isentos por Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o que permite à pequena parcela de brasileiros pagar menos imposto de renda que os assalariados. Esse imposto, lembrou, existe em todos os países civilizados. E caso existisse, arrecadaria boa parte do que o chamado “ajuste Levy” pretende amealhar, sacrificando principalmente os trabalhadores.
Veja  a seguir o pronunciamento do senador paranaense: